<$BlogRSDUrl$>

segunda-feira, maio 17, 2004

  O Crítico

O blogue do Henrique fez um ano. O primeiro post do crítico, após a apresentação, foi para falar mal de Augusto M. Seabra. Escrevia então o Henrique:

A. M. Seabra é o pluri-crítico do Público que critica tudo o que se pode imaginar, desde culinária até sociologia, passando por teatro, cinema, ópera, música clássica, desde a antiga à contemporânea, o tal Augusto que gostava de ser chamado de Papa da crítica portuguesa, um homem que sabe de planos americanos e estética pós moderna, um tipo que passa por Boaventura Sousa Santos como por um donut, mas que nunca percebeu o artigo de Sokal. Seabra é o crítico do público que critica tudo o que mexe, o chefe de fila da rapaziada que alinhava a parte cultural do jornaleco que começou por ser de esquerda, mas vai mudando de director e de linha quando muda, ou se prepara para mudar, o governo...

Mais tarde o Henrique fartou-se de elogiar o pluri-crítico. É que o Henrique tem dois ódios de estimação: os pós modernos e os liberais. Mas os liberais são muito piores que os pós-modernos. Foi com o Henrique que o jaquinzinhos manteve alguns debates divertidos e foi ele o maior adjectivador do autor deste blogue. Chamou-me de tudo: neoselvagem, suburbano feroz, egoísta pequeno burguês, analfabeto, inculto, pequeno, rural, tacanho, tragicamente fechado, sem vistas, sem relatividade, odiento, rancoroso, velhaco, invejoso, desdenhando do belo, desdenhando do sábio, escarnecendo do verdadeiro erudito, porque incapaz de erudição, com mente mesquinha de escravo e mais umas dezenas de epípetos de igual calibre, que são fáceis de encontrar nos posts do último trimestre de 2003.

Um dia, o Henrique conheceu-me e deixou de me chamar nomes. E eu deixei de lhe dedicar posts.

Hoje celebra-se um ano de entrada do Critico na blogosfera, agora valorizado com a entrada de mais gente para a edição. Saudações, evidentemente liberais, ao blogue a aos seus autores. E, quem sabe, um dia ainda arranjamos motivos para umas picardias, das que valem mesmo a pena...

Fim de Página