<$BlogRSDUrl$>

sábado, maio 22, 2004

  Partidos? Dasse!...

Apesar de ainda não ter visto rigorosamente nada sobre o congresso, julgo que posso descrever com grande exactidão o que por lá se passa.

O líder já falou e foi muito aplaudido e vai falar novamente e a sala vai gritar numa só voz: 'SLB! SLB!Ooops... PSD! PSD!'.

Antes e depois do líder, muitos congressistas subiram ao palanque e, em inflamados discursos, não disseram rigorosamente nada pelo que foram vibrantemente aplaudidos.

Um ou outro congressista tentaram o improviso. Os improvisos são quase sempre escritos na véspera e decorados com grande esforço. Alguns delegados leram discursos escritos pelos conjuges.

Ocasionalmente aparece um delegado que tem opinião própria, o que é uma grande imprevidência e só é desculpável se o dito delegado opinativo tiver um blogue chamado abrupto. Os outros que arriscam, tornam-se incompreendidos e a sua carreira futura nos orgãos nacionais está em causa. Os aplausos denotam menos entusiasmo.

Quase todos metem um bitaite a perorar o PS, gesto que causa uma imediata e justa aprovação da sala. Outros terão sugerido malvadezas do PP homem ou do PP organização. Todos gostam de ouvir e os sorrisos cúmplices inundam a sala. Diminui-se a força do aplauso para não incomodar o líder.

As habituais reuniões secretas conspirativas dos santanistas, desta vez não têm como objectivo encontrar os caminhos certos para o assalto ao poder. O grande desígnio que une os santanistas na conspiração é a descoberta de uma desculpa que lhes permita passar o Sábado a ver o casamento de Felipe e a Letizia.

Alguns têm azar no sorteio: botam discurso antes da hora das refeições e são ouvidos com impaciência. O aplauso é inversamente proporcional ao tempo de presença no palanque.

Não é preciso chegar a Domingo para conhecer os grandes vencedores deste congresso. A palma de ouro vai para os hotéis, restaurantes e outras micro-entidades do ramo da prestação de serviços, provavelmente sediadas nos arrebaldes de Oliveira de Azeméis.

Aí está. Objectividade jornalística é isto. E não é preciso ir lá.

Fim de Página