<$BlogRSDUrl$>

segunda-feira, agosto 30, 2004

  As comunidades

Rapidamente, que as férias estão aí e Setembro é mês de levante e marés-vivas.

Neste post, como já foi notado na caixa de comentários, a comunidade descrita é a população oficialmente pobre dos Estados Unidos da América. É verdade que a pobreza é um conceito relativo. Mas a comparação entre a pobreza de várias nações não pode ser relativa.

Discordo em absoluto de Luís Aguiar Conraria quando escreve: "se numa sociedade com rendimento médio de 500 alguém com 100 é considerado pobre é evidente numa sociedade com rendimento médio de 1000, então alguém com rendimento de 200 deve ser considerado pobre também."

É o mesmo que dizer que podemos combater à pobreza empobrecendo a classe média, uma vez que o empobrecimento generalizado dos rendimentos faria diminuir a pobreza estatística, mesmo que não houvesse qualquer alteração na situação dos mais carenciados. Há também uma questão de fluxos e stocks. Estes indicadores de pobreza medem apenas rendimentos e nunca riqueza acumulada. Um milionário que passe um ano sem rendimentos pode cair neste limiar.

Esta discussão já ocorreu anteriormente neste blogue. Aqui, aqui e aqui.

Num outro comentário, assinado por Ribeiro Alves há uma referência que me parece bem mais importante:

"According to the Census Bureau, more than half of all those classified as poor between 1996 and 1999 were so for less than four consecutive months. Eighty percent were poor for less than a year."

A criação de oportunidades é sempre a melhor ajuda que se pode dar a quem cai na pobreza.

Neste post, o Índice Sociológico descrito é o utilizado em Portugal para medir pobreza. Em Portugal e em muitos outros países da Europa. O comportamento absurdo do índice demonstra a irracionalidade do seu uso, porque apesar de se chamar a este índice "pobreza", ele mede apenas desigualdade. Há até quem sugira que o índice mostra exactamente o oposto do que devia mostrar...

A discussão pode continuar mais tarde. Para já, encontra-se nos Blasfemos, Timshel, Paulo Querido e Grande Loja.

Fim de Página