<$BlogRSDUrl$>

quarta-feira, novembro 10, 2004

  Coisas Saídas dos Altifalantes da Viatura

1. A semana passada, circulando por terras do queijo da serra, ouvi a voz de um líder de um partido político explicar cheio de convicção que os donos dos jornais só podem decidir o conteúdo editorial do mesmo numa primeira fase. Depois já não podem intrometer-se mais. É proibido. Dr. Sócrates, onde está o seu respeito pela propriedade privada? Os donos dos jornais podem e devem intrometer-se sempre que lhes apetecer. Por isso é que são donos.

Um jornal não é diferente de qualquer outra empresa. Se as grandes empresas não são habitualmente geridas pelos principais accionistas - os donos - é por opção de quem manda. Quem gere as empresas são habitualmente profissionais contratados. A avaliação das competências e das capacidades da gestão desses profissionais é dos donos. E não é só no primeiro momento, é sempre. Está sempre nas mãos dos accionistas mudar as administrações, os nas mãos das administrações mudar as chefias e as orientações estratégicas do negócio.

Também na comunicação social, as direcções dos jornais podem e devem ser mudadas a qualquer momento, por vontade discricionária de quem detém o poder para o fazer. Tem mesmo que ser assim. Nem mesmo o Dr.Sócrates deve ser impedido de mudar a direcção do Acção Socialista se este começar a publicar textos elogiosos ao governo.

O problema comum a todas as empresas privadas está nos clientes. Um jornal vende informação. O cliente fideliza-se pela credibilidade. Se os donos dos jornais se intrometerem na gestão e se se intrometerem mal, a credibilidade da informação perde-se, os clientes fogem e quem perde mais é quem fez asneira. E é por isso que se deve deixar a responsabilidade a quem sabe. Todos os outros motivos são irrelevantes.

2. Ontem, um dos mais empedernidos militantes do Partido Comunista queria convencer os ouvintes de uma estação de rádio que a vida na Alemanha de Leste era melhor antes da queda do muro. O senhor dizia e repetia que a antiga RDA era a oitava potência do mundo... Não é muito de estranhar. E não vale a pena troçar do senhor. Afinal, tal como a cientologia ou a astrologia, parafraseando Luís Raínha, "o comunismo é de facto um artigo de Fé para milhões de seres humanos. É, para muito deles, a parte mais relevante da sua existência. Não deveria constituir motivo de troça para gente tolerante e civilizada."

Fim de Página